Thursday, February 04, 2016

Você em partes.

O cheiro do seu pescoço, seu chicletes mascado e suas meias de algodão deveriam ser guardados em vidrinhos dentro da minha estante de madeira.
Todos os dias frios, os dias tristes e também nos dias de muito trabalho, eu poderia arrastar um banquinho até ela e com cuidado escolheria um deles para abrir e cheirar, abrir e mascar, abrir e sonhar.
De alguma maneira eu consigo saber que você tem coisas valiosas aí em você e eu preciso delas pra viver melhor.
Tinha uma gota do seu cheiro na minha narina, logo que amanheceu .
Com o tempo aprendi apreciar seus modos:
observo entusiasmada como abre sua camisa,
como ajeita o cabelo,
como segura o volante,
como sorri,
como cospe e como come.
Aprendi te apreciar de longe, de perto, aos poucos, por alguns minutos e por um pouco mais do que isso.
É estranho como de tempos em tempos, como um fenômeno cíclico,  você ressurge me fazendo querer um pouco mais de "nós"em minha vida
 e talvez por isso
preservo essa  "pira"
 de querer em frascos,
com etiquetas legíveis
 uma mostra do seu "CUSPE", "SALIVA" e "CHULÉ"...

1 comment:

Cleonice Luiza Moreira de Sá said...

Hum, acho que estou entendendo!
Bjos